PJ ou CLT: Qual é o melhor tipo de contratação?

Um contrato de trabalho é um acordo feito entre empregado e empregador, correspondente a uma relação de emprego, que pode ser verbal ou escrito. De forma simples, podemos dizer que é a formalização de um vínculo empregatício entre uma pessoa física e uma pessoa jurídica ou física, que explicita os serviços que serão prestados de forma não eventual. 

Para começar a verificar qual é a melhor opção, é necessário compreender que existem diversas variáveis a se considerar, que podem influenciar nessa decisão como estabilidade financeira, plano de carreira, possibilidade de crescimento, entre outros fatores.

Por isso é importante saber traçar os perfis do indivíduo e do empregador, a fim de esclarecer qual desses tipos de contratação será a mais indicada. 

 

CLT 

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), ou Lei nº 5.452, teve a sua promulgação em 1943, quando Getúlio Vargas ainda atuava como presidente reunindo as normas de cunho trabalhista que estavam presentes em diversas leis.

Nesse tipo de contratação o funcionário pode desfrutar de alguns benefícios estabelecidos pela lei como férias, plano de saúde, vale-refeição e vale-transporte. Além disso também existem vantagens em caso de demissão como o FGTS, seguro desemprego e multa por rescisão.

 

Guarusol Contabilidade

 

Mas também há algumas desvantagens importantes a serem consideradas. Uma dessas desvantagens é que o INSS desconta uma parte do salário registrado na carteira. Vale ressaltar também que, quando registrado como CLT, o empregado deve seguir uma rotina fixa em um horário determinado.

 

Pessoa Jurídica (PJ)

O indivíduo que trabalha como pessoa jurídica trabalha como se fosse uma empresa prestadora de serviço. Nesse caso, o profissional PJ precisará adquirir um CNPJ perante a Receita Federal, obter alvará de funcionamento perante a Prefeitura para emitir notas fiscais, inscrição estadual, entre outras burocracias necessárias.

 

 

Nesse caso o salário acordado não tem desconto, não precisa cumprir jornada de trabalho fixa ou até mesmo receber ordens de superiores, devendo apenas cumprir o que foi estabelecido em contrato. Por outro lado não pode desfrutar dos benefícios oferecidos ao CLT, então ele mesmo tem que arcar com os custos de alimentação, transporte, planos de saúde, entre outros. 

 

Qual é a melhor opção afinal?

Depende. O ideal a fazer é realmente pesquisar e analisar as possibilidades, fazer as contas e definir se vale mais a pena trabalhar como CLT ou PJ. Sendo PJ, sempre lembrar de considerar a formalização e as vantagens que vêm com ela. Neste aspecto, consulte a Guarusol, onde podemos lhe orientar com relação ao melhor modelo a ser escolhido, de acordo com o seu perfil de profissional e empreendedor. 

 

 



Deixe uma resposta